Textos de Mestre Dogen (8)

Gakudo Yojin-shu
Pontos a observar no Estudo do Caminho

Introdução por Monja Coen

“Mestre Zen Dogen completou este tratado para seus discípulos em Kosho-Ji em 1234, sete anos após ter retornado da China.

Trata-se de uma explicação rigorosa sobre a prática, onde não apenas o Zazen, mas todas as ações devem ser realizadas.

Iniciando com uma exortação para despertar a mente-bodhi, Mestre Dogen vai adiante e discute a importância do treinamento com um verdadeiro mestre, além de tópicos como a relação entre treinamento e iluminação e o significado da prática de Zazen. Muito embora o conteúdo do Shobogenzo seja filosoficamente mais profundo, o Gakudo Yojin-shu é muito estimado como um guia de treinamento na Soto Zen por aqueles que estão realmente engajados na prática diária do Caminho. Entre os numerosos trabalhos de Mestre Dogen este, em particular, merece ser lido repetidamente, idealmente em conjunto com o aprofundamento da própria prática pessoal; pois embora relativamente curto, ele apresenta nada menos do que o mapa da iluminação.” (Professor Yuho Yokoi, da Universidade de Aichi, no Japão)

Durante os oito anos de prática intensiva no Mosteiro para Formação de Monjas de Aichi, tive o privilégio de poder estudar e ouvir os ensinamentos de Kanpo Mano Roshi, Venerável Mestre, que todas as quartas feiras passava a manhã conosco nos instruindo no Fukanzazengi e no Gakudo Yojinshu.  A cada nova turma de monjas noviças, Mano Roshi reiniciava os estudos destes dois textos básicos de prática Zen Budista.  Ele já passara dos oitenta anos, quando o conheci, mas quando falava do Darma não tinha idade. Cada ano, embora o texto fosse o mesmo, suas palestras eram diferentes.  Quanto mais fui aprendendo japonês mais fui admirando a profundidade de sua sabedoria, sua terna compaixão, sua paciência nos instruindo e  a humildade com que relatava fatos de sua vida de prática religiosa, nos inspirando a penetrar nos dez importantes aspectos da prática do Caminho., este grande legado de Mestre Eihei Dogen.

Pontos a Observar no Estudo do Caminho, Gakudo Yojin-shu, é um dos textos usados para aprofundar a compreensão dos iniciantes no Zen Budismo e para aqueles que se engajam no Curso de Preceitos e Procedimentos organizado e dirigido pela Monja Coen, na Comunidade Zen Budista.  Foi uma das primeiras traduções feitas pelo Grupo de Estudos do Templo Busshinji, durante a época em que a Monja Coen orientava aquela comunidade.  A tradução atual é uma revisão modificada e melhorada daquele texto original e se baseou em várias versões em Inglês organizadas por diferentes mestres:
Zen is Eternal Life, de Rôshi Jiyu Kennett,
Moon in a Dewdrop, editado por Kazuaki Tanahashi
Zen Master Dogen, An introduction with selected writings de Prof. Yuho Yokoi e Daisen Victoria

1. A necessidade de despertar para a Mente-Bodhi

A Mente-Bodhi é conhecida por muitos nomes, porém todos se referem à mesma Mente Una. O Venerável Nagarjuna[1] disse, “A mente que vê através do fluxo do aparecer e desaparecer e reconhece a natureza transitória do mundo é também conhecida como Mente-Bodhi.” Por que então, a dependência temporária nesta mente é chamada de Mente-Bodhi? Quando a natureza transitória do mundo é reconhecida, não aparece nem a mente egoísta comum nem a mente que busca fama e proveito.

Ciente de que o tempo não espera por ninguém, pratique como se estivesse tentando apagar o fogo em seus cabelos. Reflita sobre a natureza transitória do corpo e da vida, se esforce exatamente como o Buda Xaquiamuni fez quando levantou seu pé[2].

Mesmo que ouça o chamado bajulador do deus Kimnara e do pássaro Kalavinka[3], não preste atenção, considere-os apenas como a brisa do anoitecer soprando em seus ouvidos. Mesmo que veja uma face tão bela como a de Mão-cha’ng ou Hsi-shih[4], pense nela apenas como o orvalho da manhã bloqueando sua visão.

Quando livre do apego ao som, cor e forma, naturalmente se tornará um com a verdadeira Mente-Bodhi. Desde os tempos antigos existiram aqueles que ouviram pouco sobre o verdadeiro budismo e outros tiveram pouca oportunidade de ouvir, ler e estudar os sutras. A maioria deles caiu na armadilha da fama e lucro, perdendo a essência do Caminho para sempre. Que pena! Que lamentável! Não ignorem isto.

Mesmo que você tenha lido os meios expedientes ou verdadeiros ensinamentos de grandes sutras[5] ou transmitido os ensinamentos esotéricos[6] e exotéricos, a menos que abandone fama e lucro, não se poderá dizer que tenha despertado a Mente-Bodhi.

Alguns dizem que a Mente-Bodhi é o mais alto e supremo estado de iluminação de Buda, livre da fama e do lucro. Outros dizem que  é aquilo que abrange um bilhão de mundos[7] em um único momento de pensamento, ou que é o ensinamento no qual nenhuma delusão surge. Outros ainda, dizem que é a mente que entra diretamente no plano de Buda. Estas pessoas, ainda sem entender o que é a Mente-Bodhi, de maneira devassa a caluniam. Elas estão, na verdade, muito longe do Caminho.

Reflita sobre sua mente comum, como está egoisticamente apegada, à fama e ao lucro. Está possuída pela essência e aparência dos três mil mundos, em um único momento de pensamento? Este pensamento único experimenta o portal do dharma do não nascido? Terá ela experimentado o ensinamento que não desperta uma única delusão? Não! Nessa mente apegada não há nada a não ser delusão de fama e de lucro, nada digno de ser chamado de Mente-Bodhi.

Muito embora desde os tempos antigos tenham existido Budas Ancestrais que usaram métodos seculares para realizar a iluminação, nenhum deles esteve apegado à fama e ao lucro, nem mesmo ao Dharma, quanto menos ao mundo comum.

A Mente-Bodhi é, como foi mencionado anteriormente, aquela que reconhece a natureza transitória do mundo – uma dos quatro percepções[8]. É completamente diferente daquela apontada pelas pessoas confusas.

A mente do não surgimento e a mente do aparecimento de um bilhão de mundos são práticas muito boas após se ter despertado a Mente-Bodhi. “Antes” e “após”, no entanto, não devem ser confundidos. Apenas esqueça de si e tranqüilamente pratique o Caminho. Esta é verdadeiramente a Mente-Bodhi.

Os sessenta e dois pontos de vista estão baseados no eu[9],  portanto, quando visões egoístas aparecem, apenas faça zazen tranqüilamente, observando. Qual é a base de nosso corpo, suas posses internas e externas? Você recebeu seu corpo, cabelo e pele de seu pai e de sua mãe. Entretanto, as duas gotas de seus pais, vermelha e branca[10], são vazias do início ao fim, portanto, não há nenhum eu aqui. Mente, consciência discriminativa, conhecimento e pensamento dualístico amarram a vida. O que, em última instância, são inalar e exalar? Não são o eu. Não existe nenhum eu para se apegar. A pessoa deludida, entretanto, está apegada a si mesma e a iluminada está desapegada.  Ainda assim vocês procuram medir o eu que é não eu  e se apegam ao surgir que é não surgir negligenciando a prática do Caminho. Por falhar em cortar suas amarras com o mundo fogem do verdadeiro ensinamento e correm atrás do falso. Vocês se atreve a dizer que não estão agindo erroneamente?


[1] Nascido em uma família de Brahman (ver  “O Mérito de Se Torna Monge” ) nota 9: no sul da Índia no segundo ou terceiro século AD, tornou-se um dos principais filósofos do Budismo Mahayana, sendo considerado como o Décimo Quarto Ancestral na linhagem da transmissão do Darma. Ele defendia a teoria de que todos os fenômenos são relativos, não tendo uma existência independente.

[2] No Budismo Mahayana se acredita que o fundador histórico do Budismo, Buda Xaquiamuni, atravessou inúmeras transmigrações antes de finalmente realizar a iluminação. Também se acredita que antes do Buda histórico tiveram  milhares de pessoas que já tinham atingido o “Estado de Buda”, sendo um deles o Buda Pusya. Quando o Buda Xaquiamuni em uma de suas vidas anteriores encontrou este Buda, é dito que para  mostrar seu  respeito para Pusya, Xaquiamuni permaneceu com um pé levantado por sete dias e noites cantando um sutra.

[3] Kimnara é um deus indiano da música. O kalavinka é um pássaro mítico indiano com uma bela voz.

[4] Estas duas mulheres são consideradas entre as mais belas cortesãs da antiga China.

[5] “Ensinamentos verdadeiros” refere-se propriamente aqueles do Saddarma-pundarika. Avatamsaka, e do Mahaparanirvana Sutra e “livros” incluem todos os outros ensinamentos.

[6] Os ensinamentos esotéricos são encontrados nas escolas  Shingon japonesa e Tendai, e refere-se a doutrinas e rituais com grande influências do hinduísmo, que se desenvolveram na Índia durante os séculos sete e oito. Estes ensinamentos, tendo propriedades mágicas, apenas podem ser revelados àqueles que foram devidamente iniciados. Os ensinamentos exotéricos se referem a todos os outros ensinamentos.

[7] Pensava-se que todo o universo, em sua integridade, fosse constituído de um bilhão de mundos.

[8] Em inglês insights. De acordo com o Novo Dicionário Aurélio: Compreensão repentina, em geral intuitiva, de suas próprias atitudes e comportamentos, de um problema, de uma situação.

Os outros três insights são: (1) que o corpo é impuro; (2) que a percepção conduz ao sofrimento;  e (3) que a mente é impermanente.

[9] Em inglês: “self”.

[10] A gota vermelha representa o óvulo da mãe e a branca o esperma do pai.

Continuar lendo: Textos de Mestre Dogen (9)

– Tradução: Grupo de Estudos do Templo Busshinji, revisada pela Monja Coen, baseada nas versões em inglês nos livros:
Zen is Eternal Life, de Rôshi Jiyu Kennett,
Moon in a Dewdrop, editado por Kazuaki Tanahashi
Zen Master Dogen, An introduction with selected writings, de Prof. Yuho Yokoi e Daisen Victoria

Anúncios

3 Respostas to “Textos de Mestre Dogen (8)”

  1. Textos de Mestre Dogen (10) « Sanga Soto Zen Budista Águas da Compaixão Says:

    […] Textos de Mestre Dog… em Textos de Mestre Dogen (9…monjaisshin em Atividades: Programação […]

    Curtir

  2. Textos de Mestre Dogen (9) « Sanga Soto Zen Budista Águas da Compaixão Says:

    […] Textos de Mestre Dog… em Textos de Mestre Dogen (8…Textos de Mestre Dog… em Textos de Mestre Dogen (9…monjaisshin em Atividades: […]

    Curtir

  3. Textos de Mestre Dogen (11) « Sanga Soto Zen Budista Águas da Compaixão Says:

    […] Regula…Moysés em Atividades: Programação Regula…Textos de Mestre Dog… em Textos de Mestre Dogen (8…Textos de Mestre Dog… em Textos de Mestre Dogen (8…Textos de Mestre Dog… […]

    Curtir


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: