Eu, Aqui e Agora

Eu, aqui e agora
de Shundo Aoyama Roshi
abadessa do Mosteiro Feminino de Aichi
(Aichi Senmon Nisodo)

O contrário do esforço diligente – Shojin – é a auto-indulgência, a negligência que segue apenas as paixões – Hoitsu. Na vida que busca o Shojin, precisamos deixar de lado nossa vontade pessoal e nos esforçar ao máximo para desempenhar o papel que nos foi confiado, aqui e agora.

Recentemente fiquei comovida ao ler uma poesia chamada “Pano de chão”, do poeta Michio Mado :

Quando volto para casa em um dia de chuva
o pano de chão está me esperando
com a cara de um pano de chão.
Um rosto conhecido!
Mas certamente não era sua opção
tornar-se um pano de chão.
Até pouco tempo atrás
tinha a cara de uma camisa.
“sou uma camisa”, dizia.
Era macia como se fosse minha segunda pele
mas certamente tornar-se camisa
não foi sua opção.
Talvez há muito tempo,
em uma terra como a América
teria sorrido como uma flor de algodão
sorrindo para o vento e para o sol.

Se eu fosse um pano de chão, talvez dissesse. “seria melhor ser uma camisa”. Ou então: “agora me tornei um pano de chão, mas antes eu era uma bela camisa”. Um pano de chão que se lamenta assim não é útil. Não é nada fácil um pano de chão com a forma de uma camisa. Desempenhar plenamente o papel que nos foi confiado significa transformar-se plenamente em uma camisa quando temos que ser uma camisa, e voltar a ser um pano de chão quando devemos ser um pano de chão. Esta é a imagem de quem vive seguindo o caminho da verdade – Shojin – sem pensar em seus desejos caprichosos.

Pensar que o pano de chão não é importante e tem menos valor do que a camisa é uma idéia banal, a mentalidade típica dos seres humanos. Neste mundo, não há diferença de valor entre um objeto e outro. Ouvi dizer que um pino de poucos milímetros que sustenta os mecanismos de um relógio de cem mil yens custa apenas dez yens. Mas este pino tão barato é tão essencial ao funcionamento da vida quanto um objeto muito mais caro. Cada parte do relógio tem seu papel no funcionamento do mecanismo e, a cada instante, trabalha sem cessar para que o relógio não pare. Também nosso trabalho – qualquer que seja ele – é como as engrenagens de um relógio, mantendo uma família, uma empresa, um país e o mundo.

Se trabalharmos seriamente a cada instante, colocando de lado nossos pensamentos e interesses egoístas, podemos nos transformar em uma luz que ilumina as pessoas que nos circundam. Nossa presença por si só é suficiente para iluminar e nos tornamos a própria aparição de Shojin Haramitsu

– de Shundo Aoyama Rôshi.

Nota: Shojin (virya em sânscrito) é, de acordo com os textos antigos, a função mental que permite a alguém perseverar diligentemente na doutrina correta enquanto se afasta de todas as doutrinas falsas. Em épocas mais recentes passou a significar diligência, assiduidade, constância, devoção e até mesmo abstinência. É um dos Seis Paramitas: dana – doação, sila – preceitos, kasnti – paciência, virya – assiduidade, dyana – meditação e prajna – sabedoria. São as seia espécies de prática dos bodhisattvas.

A palavra japonesa ‘haramitsu’ significa ‘paramita’.

do livro Para uma pessoa bonita: Contos de uma mestra zen
Prefácio da Monja Coen, traduzido por Tomoko Ueno.
São Paulo: Editora Palas Athena / Zen do Brasil, 2002. Pág. 103-105

Anúncios

Uma resposta to “Eu, Aqui e Agora”

  1. Manoel Francisco Moura Says:

    Esse poema me pegou de uma forma profunda, pois agora me sinto um pano de chão.
    Custou dor, tempo e raiva para me adaptar à situação.
    O fundamental foi deixar de ter autocomiseração, de lamentar e reclamar. Viver a impermanência de forma clara.
    Pensava que havia conquistado: status, condições razoáveis de vida, com o tranco, percebí o vazio; o mêdo, tenho orgulho do que faço agora. Deixei minha vida pessoal de lado, minha profissão original, conto moedas; mas há pouco tempo um amigo me disse: inacreditável seu senso de humor, seu contentamento, vivendo da forma que vive…
    Nilismo? Alienação? – Não, apenas a consciência de que o que faço agora é mais importante, mesmo que aos olhos de outros tenha pouca valia ou nada valha.
    Muito obrigado pela publicação do texto, ainda não lí esse livro.
    Gassho.
    Manoel

    Curtir


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: